menu

Seguidores

terça-feira, 24 de abril de 2012

Nossa vida não permite ensaios,,,,


Nossa vida não permite ensaios...

A gente simplesmente vive, a apresentação é o agora, estreamos todos os dias, então acorde! Não deixe sua felicidade nas mãos de outros.
Não tem dinheiro? Faça coisas que não dependam dele, arrume  suas gavetas, limpe sua casa,  faça um bolo para seus filhos, espere a família com uma comida gostosa isso também é uma demonstração de carinho. Surpreenda, essa é uma contribuição valiosa no dia a dia de uma família, isso também agrega.
Lamentações, queixas, tristeza, preguiça, ninguém agüenta isso por muito tempo nem o maior amor do mundo, só tende a afastar as pessoas mais próximas, aquelas que convivem com a gente principalmente, lembre-se amor incondicional só o de mãe...
Quando surgirem pensamentos destrutivos, negativos e toda gama de coisas que nos levam ao abismo, vá caminhar, molhar uma planta, ver um filme.  Aquele ditado cabeça vazia oficina do diabo  é real. A gente tem que lutar com as armas que dispomos no momento, a felicidade não consiste em fazermos só o que temos vontade e o que gostamos, alguns deveres são curativos... Só oração  não adianta.Faça, aja!
Sonhos são necessários, mas temos que encarar a realidade também.
Verá que são coisas triviais do dia a dia, que vivemos em  família  que realmente  nos trás  momentos mais felizes, e pra isso temos que tornar um ambiente  de amor  de alegria para que sempre  sintam vontade de  voltar e estar.
Cuide de você, do seu amor, da sua família perdoe e se perdoe , deixe o orgulho de lado  Comece como um exercício diário , verá que com o tempo isso será natural na sua vida.
Precisamos de pouco para ser feliz, basta buscarmos  nas coisas mais simples da vida. E um  belo começo  é  em família.

Eliana Blumle Silva

2 comentários:

Sandra Guadagnin disse...

Eliana, muito bacana seu texto. Concordo que existe preconceito sim. Há anos resolvi trabalhar em casa e garanto que só ganhei fazendo isso. Faço projetos de interiores e meus restauros em casa, ouvindo os filhos brincando (ou brigando) do lado. E nem em sonho pretendo mudar esta condição, largar os filhos sem minha companhia é muito triste para mim. Corro muito por eles, e que faria isso? Acho que ninguém melhor que a figura materna presente, mesmo se estressando as vezes. Quando pedem minha profissão, digo que sou designer, restauradora, motorista de filho, dona de casa e bláblabla... assim a pessoa fica sem argumentos mesmo. rssss... É difícil, as vezes me sinto meio alienada da correria que todo mundo vive, no trabalho e no trânsito, mas é uma opção e não troco, pelo menos por enquanto.
Abraço e viva as donas de casa

Rosangela Ribeiro disse...

Ola Eliana, vim aqui da uma forcinha, seu blog é lindo parabens, Blogueira 745. Beijos